maio 29, 2024
Temperaturas médias Batem novo recorde foto deiwid felicio

Temperaturas médias Batem novo recorde

Temperaturas médias mundiais batem recorde nos meses de junho, julho e agosto.

Observatório Europeu afirma que as temperaturas médias foram as mais altas já registradas durante o verão no Hemisfério Norte. O ano de 2023 também deve ser o mais quente da história.

As temperaturas médias mundiais durante os três meses do verão no Hemisfério Norte (junho-julho-agosto) foram as mais elevadas já registradas, anunciou nesta quarta-feira (06) o observatório europeu Copernicus, acrescentando que 2023 provavelmente será o ano mais quente da história.

“A estação junho-julho-agosto 2023”, que corresponde ao verão meteorológico no Hemisfério Norte, “foi de longe a mais quente já registrada no mundo, com uma temperatura média mundial de 16,77 graus Celsius”, anunciou o Copernicus.

O resultado ficou 0,66°C acima da média no período 1991-2020, que também registrou um aumento das temperaturas médias do planeta devido à mudança climática provocada pela atividade humana. E superior – quase dois décimos – ao recorde anterior de 2019.

“O colapso climático começou”, lamentou o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres.

“Nosso clima está implodindo mais rápido do que podemos enfrentar, com fenômenos meteorológicos extremos que afetam todos os cantos do planeta”, afirmou em um comunicado. “Os cientistas alertam há muito tempo sobre as consequências de nossa dependência dos combustíveis fósseis”, acrescentou.

Ondas de calor, secas, inundações e incêndios afetaram a Ásia, Europa e América do Norte durante o verão boreal, em proporções dramáticas e, em alguns casos, sem precedentes, com mortes e danos elevados para as economias e o meio ambiente.

O Hemisfério Sul, com recordes de calor em pleno inverno, também foi afetado.

Fique por dentro das últimas notícias no grupo do WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *