abril 25, 2024
O perigo embutido  No cigarro eletrônico foto ilustrativa

O perigo embutido  No cigarro eletrônico

Gabriel Nogueira Souza lida com sequelas sérias após fumar cigarro eletrônico por três meses. Uso aumentou muito e pode reverter queda do número de fumantes, temem especialistas.

Fumante desde os 18 anos, o resgatista de fauna Gabriel Nogueira Souza trocou o cigarro comum pelo eletrônico, também conhecido como vaporizador ou vape, no ano passado.

Na época, o rapaz de 23 anos precisou ficar em um hospital acompanhando sua mulher, que passaria por uma cirurgia na coluna.

‘Óleo do cigarro não sai do meu pulmão’, diz o jovem internado após fumar cigarro eletrônico, popular no Brasil mesmo proibido

🏥”Como no hospital não podia fumar, passei a usar o cigarro eletrônico para sustentar o vício. Ele não era detectável pelo sensor de fumaça e não deixava um cheiro ruim no local”, conta.

Foram três meses usando o vape, conta Gabriel, tempo suficiente para ele sofrer graves consequências…

Fique por dentro das últimas notícias no grupo do WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *