abril 13, 2024
Fevereiro Roxo – Alzheimer, a conscientização é a chave para qualidade de vida Oferecimento: Vida Cotidiana

Fevereiro Roxo – Alzheimer, a conscientização é a chave para qualidade de vida


O Alzheimer é uma doença neurodegenerativa, isto é, uma doença que progressivamente evolui ao longo do tempo. Na doença de Alzheimer, há o acúmulo de algumas proteínas dentro do neurônio levando à perda dessas células.


O principal sintoma da Doença de Alzheimer é o esquecimento ou seja, a progressiva perda de memória. Porém, precisamos lembrar que esses não são os únicos sintomas da doença. Existem várias outras condições que podem levar à perda de memória e que não são, necessariamente, a Doença de Alzheimer. Em algumas dessas condições, quando corrigidas, a memória é recuperada.


Na doença de Alzheimer existem basicamente três estágios: o inicial, o moderado e o estágio avançado. Infelizmente os tratamentos atualmente disponíveis não conseguem impedir o desenvolvimento da doença. Apesar disso, as medicações ajudam a diminuir a velocidade de avanço do quadro. Quando o paciente toma a medicação indicada, a doença avança de forma mais lenta. Além disso, a medicação é usada para melhorar a qualidade de vida do paciente, pois, em alguns casos podem ocorrer problemas para dormir, agitação, perder o apetite ou comer compulsivamente. Dessa forma, a medicações também são utilizadas para melhorar esses e outros sintomas, tendo impacto diretamente na qualidade de vida do paciente e dos cuidadores.


De acordo com alguns estudos, a genética e a idade são os principais fatores de risco para se desenvolver a Doença de Alzheimer.


A genética associada a proteína ApoE ε4 , quando alterada, aumenta o risco de se ter a doença. Porém, é importante sabermos que existem outros fatores que também estão associados ao risco do desenvolvimento da doença, como por exemplo, apneia do sono, sedentarismo, diabetes não controlada, pressão alta, colesterol alto, doenças que são chamadas de uma forma geral, como risco cardiovascular.

Por esse motivo, é de extrema importância cuidar da alimentação, praticar atividade física regularmente e dormir bem, pois, assim, minimiza-se o risco da doença.

Drª. Aline Vieira Scarlatelli Lima – Neurologista e Medicina do Sono
CRM: 7013 – 8843 – 9831

Neurologia/ neurofisiologia clínica/ medicina do sono

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *