abril 13, 2024
“Mensageiro” alcança Tokarski e Ponticelli Foto (PMT)

“Mensageiro” alcança Tokarski e Ponticelli

Joares Ponticelli é o sétimo chefe do executivo municipal catarinense preso na operação Mensageiro. O objetivo da investigação é apurar também a suspeita de fraude em licitação, organização criminosa e lavagem de dinheiro no setor de coleta e destinação de lixo em diversas regiões de Santa Catarina. A ação está em sigilo e já ocorreu no Vale do Itajaí, Sul catarinense e Norte
O prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli(PP) e vice-prefeito Caio Tokarski(União Brasil), são os mais novos integrantes de um seleto grupo de prefeitos e autoridades municipais envolvidos na chamada operação “Mensageiro”, promovida pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado. Ambos foram presos nesta terça-feira (14) , acusados sob suspeita de fraude em licitação, corrupção ativa e passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro no setor de coleta e destinação de lixo em diversas regiões de Santa Catarina.
Também são investigados crimes de fraudes em licitação, lavagem de dinheiro e organização criminosa. A ação está em sigilo e já ocorreu no Vale do Itajaí, Sul catarinense e Norte. Ao todo, nesta terça-feira foram cumpridos oito mandados de busca e apreensão no Estado..
Prefeito de Tubarão, Ponticelli já foi deputado estadual e chegou a presidir a Federação Catarinense de Municípios (Fecam). Já Tokarski é advogado e suplente de deputado federal. Até o momento nenhum dos acusados se manifestou sobre a ocorrência.

A Operação/Primeira Fase

Deflagrada no ano passado, a Primeira Fase ocorreu no início de dezembro, com quatro prefeitos presos, tomada de depoimentos e buscas por documentos. Já a segunda foi deflagrada no início deste mês.
Somente na primeira fase foram apreendidos R$ 1,3 milhão de reais em espécie localizados nas residências e locais de trabalho dos alvos investigados. Segundo o MPSC, as ações desta terça têm base depoimentos de testemunhas, investigados e provas coletadas ao longo das ações.
A Operação Mensageiro investiga os contratos em 20 cidades catarinenses: Lages, Imaruí, Pescaria Brava, Braço do Norte, Tubarão, Capivari de Baixo, Agrolândia, Imbituba, Ibirama, Presidente Getúlio, Três Barras, Corupá, Itapoá, Schroeder, Guaramirim, Papanduva, Balneário Barra do Sul, Major Vieira, Canoinhas, Bela Vista do Toldo.

Segunda Fase
No início de fevereiro, na segunda etapa da Operação Mensageiro, foram presos preventivamente os prefeitos de Lages, Antônio Ceron (PSD), e de Capivari de Baixo, Vicente Corrêa Costa (PL). A operação do Gaeco foi deflagrada em 6 de dezembro do ano passado, quando foram presos os prefeitos Deyvison Souza (Mdb, de Pescaria Brava), Luiz Henrique Saliba (Progressistas, de Papanduva) e Antônio Rodrigues (Progressistas, de Balneário Barra do Sul), no Litoral Norte. Dias depois, seria a vez de Marlon Neuber (PL), de Itapoá, foi detido ao desembarcar das férias no aeroporto de Curitiba.

Terceira Fase
O prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli e o vice-prefeito Caio Tokarski foram alvos da terceira etapa da Operação Mensageiro, do Gaeco, que investiga irregularidades na contratação de empresas de coleta de lixo em diversas cidades catarinenses. Além dos mandados de prisão, foram cumpridas ordens de busca e apreensão em endereços residenciais e na prefeitura de Tubarão. O Gaeco fez buscas nas residências de ambos os acusados.

Prejuízo político
Além dos prejuízos naturais e repercussões que uma operação como a Mensageiro, é capaz de produzir, gerando inconformismos e transtornos, inclusive na esfera familiar, não há como ignorar o prejuízo político do episódio junto ao círculo de amigos e correligionários, em prejuízo da própria carreira política.
No caso de Joares Ponticelli, o contratempo ocorre justamente no momento em que o prefeito começa a taxiar no sentido de deixar o governo municipal e preparar o terreno para vôs mais ambiciosos, no caso uma possível candidatura ao Governo do Estado.
Já no caso do vice-prefeito Caio Tokarski, o prejuízo político se dá na mesma proporção, porquanto seu nome aparece até então como o nome mais forte para a sucessão do próprio Joares, com quem mantém fortes vínculos de amizade e parceria da administração pública. Tokarski participou recentemente de uma eleição, sem conseguir eleger-se deputado federal, mas pavimentou uma candidatura majoritária para a prefeitura de Tubarão. Se a operação mensageiro terá influência no processo, somente o tempo dirá.

Nota Oficial

Fique por dentro das últimas notícias no grupo do WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *